domingo, 25 de setembro de 2011

VIda

Vida

Orvalho neutro
Besouro verde e brilhante
Deixa a arrogância
De lado
Balança! Balança! Balança.

Corpo ao vento
Girando em forma de luz
Acende aquecendo
O fogo
Arde, arde, arde.

Roda gigante
Arco íris encantado
Água doce  e pura
pra beber.
Vida! Vida! vida.


Um comentário:

  1. È uma poesia que faz com que as pessoas se vejam dentro do cenario da vida.

    ResponderExcluir