terça-feira, 8 de outubro de 2013

poesia desenquadrada



Não busco fazer poesias simétricas
busco uma poesia novaque possa
tocar as almas mais que as mãos possa
quero uma  poesia não formosa 
que possa invadir sem pedir licença
que  abrace a vida  impertinente
no apogeu de um fogo intenso
uma tocha  vermelha ardente
que  como carne adentre
rasgando a garganta a dentro
Não busco uma poesia perfeita
busco a  eternidade na essência
A poesia louca desenquadrada
que não saia da mente
nem das almas
que travando as batalhas
seja a cerveja e o cigarro
embriague e rasgue.
Procuro a poesia que não é certa
deserdada das coisas certas da vida
então seja canto e encante em fé
seja apenas  esperança.
Quero uma poesia da hora
que fora roubada no presente
aos que cala
e aos que recita
mas, um alguém grita
Exaltado e ferido pelas pontas afiadas
das palavras desavisadas de tudo 
E as vozes são espadas cortando
o enquadramento perfeito
de fazer uma  nova poesia.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Eu Não quero saber!


Eu não quero saber dos medos e nem dos segredos
não quero saber da inveja e nem mesmo das promessas
não quero saber da agonia e nem das falsas companhias
Eu não quero saber de ganhar e nem de perder
não quero saber da magreza e nem da estranheza
não quero saber da sabedoria e muito menos da ignorância
Não quero saber de aventuras e nem de amarguras
Eu não quero saber do que está escrito no jornal,
E não olho a parte policial
Não quero saber das mentira , só das verdades
quero saber da vida e dos momentos vividos
quero saber que hoje estou vivo
E que vejo
E que sinto
E que tenho
Amor
E que tenho nas mãos
uma flor
Portanto me deixe
seguir em Paz..

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

 Amargo Amor
Meu coração está mastigado como papel machê
caiu em mãos falsas que é que  eu posso fazer?
Este miserável sentimento, me atormenta
E me deixa vulnerável a maldade que vem de você.
Em que universo me perdi
Será que foi ao ver os seus olhos negros?
O que eu fiz de mim?
Tenho agora um triste fim
Recomeçar
Esquecer
Arrancar a semente
matar
Morrer.
Não vai haver mais um sentimento igual
jamais!!!!
Esta ferida mudou minha Vida
Abriu uma lacuna
em mim
Mas , tudo tem um fim
uma realidade
Não quero Lembrança
não quero saudade
O seu semblante se desfez
insolente amor
demagogo
vaidoso
enganador
As sobras são para os cães
E o banquete só alimenta
A minha frustração.
Mesmo no Chão
saberei me levantar
Vou inventar
forças para lutar
Sei vou chorar
Mas, depois de enxugadas as lágrimas
o tempo entra em ação
Terei um alento
uma proteção
um escudo
não humano
feito de material resistente
ferro, aço, alumínio ou concreto
nada que seja permeável
talvez um pedra de mármore
mas, terei razão
Na minha infinita desilusão
aprender a trancar a porta
do meu coração.

Audelina Macieira - Todos os direitos reservados,2013.


.
As vezes
 

As vezes a gente pensa em ser agradável
com as pessoas, e acabamos passando
por imbecis  e idiotas.
Para quem não sabe os humanos são
cruéis e intoleráveis, não são capazes
de perdoar de fato, de relevar algum fato
que possa incomodar ou distrair.
Tudo que se quer é Perfeição
não somos gente o suficiente para
entender o mundo do outro
mas, somos capazes de criticar o outro
de lhe dá pancadinhas de leve
seja no ombro ou na cabeça.
As vezes esquecemos que somos feito
de carne e osso , não somos inquebráveis
Somos feitos de vidro, qualquer coisinha
rachamos, e se o impacto for forte quebramos
Partimos em mil pedaços fragmentados pelo ar
em acidentes que não podemos prevê
Nas surpresas do amanhecer.
As vezes somos tão imponentes
somos tão superiores que esquecemos
que nossa família não é pequena
quando pensamos plural
E ainda assim, julgamos nosso irmão
com grandes pedras nas mãos
e atiramos sem nenhuma dó
ao encontro daqueles que julgamos
ser um pobre coitado, relis, menor.
As vezes falamos de amor
e esquecemos de falar do ódio
coisa que conhecemos bem
quando atiramos a primeira pedra
por atitudes preconceituosas
que rasgam o peito dos humilhados
As vezes somos massacrados
mas , não entendemos
a lógica da vida
Não entendemos o sofrimento
tão pouco sabemos o que é o amor
tudo é uma incógnita
uma caixa preta
È preciso entender
a fonte do conhecimento
que vai surgindo
nas nuvens coloridas
da amizade, no céu
do intimo ser, surge o bem
que deve semear sementes
que serão as raízes da mente
livre!
leve e solta
só assim vai entender
e adentrar em um universo
que não é seu
nem de ninguém
um universo
de igualdades.
Audelina Macieira, 2013, todos direitos reservados.

domingo, 14 de abril de 2013

O Amor está inserido na vida


A Vida não é eterna, mas, pode vir a ser
basta  encontrar o amor e se entregar
sorrir sempre mesmo que as lágrimas
escorram do seu olhar.

Há um rio  que leva em suas águas
a tábua da esperança, onde  viver 
é igualdade, e a vida é semelhança.

Só o  amor ensina uma cantiga
que rima a paz com auto-estima.
nenhuma pessoa que ama perde
a sua altivez, sua chama.

Há flores nos caminhos de quem ama
Há afeto no coração do ser amado
Há luz, há vida, há perdão

Quem vive de amor não fica doente
O amor  lhe dá forças para lutar e a chave
está na sua alma risonha e calma.
Quem tem amor usa a fé para  levantar
todos os dias bem cedo, a estes um presente
vê o sol nascer   atravessando o quintal
usando de uma infinita poesia. Como
encantamento de serpentes.

O amor sente  saudade dos velhos tempos
da infância, da roda  gigante e da ciranda
da traquinagem em uma engrenagem
que balança! em um passo de dança !
onde a fantasia se veste de imaginação
trazendo  o novo em cada amanhã.

O amor venceu todas as guerras
Com os corações apaixonados
na beleza que há no sonho encantado
de amar e de ser amado.

Enquanto existir um coração batendo
haverá um só desejo que se multiplica
encontrar um grande amor nesta vida.

O amor não pega ninguém, mas
amarra a vida a felicidade
desnude este  grande segredo
que vive  em  seu peito
use a chave sem medo.

E  veja, ou sinta   o  grande espetáculo
que o  amor ensina.
Neste  teatro-escola no centro
da memória a razão
da vida.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Casa do adeus

Esta casa é uma lembrança
dos tempos de minha infância
foram dias de alegria
de infinita poesia
na casa tinha canto de passáros
um miado de gato
um au, au, a latir

Esta casa é um desejo
que trago aqui no meu peito
de ser feliz e de ter respeito
conforto e admiração
nesta casa não falta imaginação
pode faltar dinheiro
mas, nunca emoção
casa dos sonhos
bonita
como os olhos meus
casa da paz
onde morrei
creci
sorri
envelheci
e saí para um adeus!!